sábado, 23 de julho de 2016

O tucano vai ficando sozinho no ninho


A esperada debandada na pré-candidatura tucana começou bem antes e a sangria não é somente de eleitores. Os partidos políticos em torno do PSDB começam a abandonar o barco, incluíndo as legendas que foram criadas no município para agregar possíveis aliados.

O primeiro partido a deixar a base de governo foi o PSD que abrigava simplesmente o vice-prefeito da cidade. Recentemente, o PRB e o PSB, partidos recheados com pré-candidaturas de pessoas ligadas aos tucanos fecharam pré-acordos com o PDT do vereador Geovan Martins (PDT), que foi o principal apoio da nobre prefeita na primeira eleição, mas que como é pré-candidato majoritário atrai insatisfeitos com o atual governo e que estão escapando das asas nada acolhedoras tucanas.

As convenções que iniciam hoje com a do PR - recheada de fogos ainda a pouco -ajudarão a contar novas histórias.


Nova corrida pelo ouro no Pará






Sabe-se pouco sobre o mega empreendimento de extração de ouro ‘Volta Grande’, localizado na cidade de Senador José Porfírio, sudoeste do Pará, às margens do rio Xingu. A pequena cidade, distante 11 quilômetros da usina de Belo Monte, já é chamada de ‘a menina dos olhos de ouro da Belo Sun’. O empreendimento vem sendo fonte de disputas, indignação e muita preocupação, especialmente da população local, que, a despeito do pouco que se tem falado sobre o projeto, vive dias de grande apreensão.

A mineradora Belo Sun pertence ao banco de capital fechado Forbes & Manhattan Inc. que desenvolve projetos internacionais de mineração e tem planos de aplicar US$ 1,076 bilhão no projeto “Volta Grande”, de onde sairiam 20 toneladas de ouro por ano, ao longo de 17 anos. No entanto, em sua página na internet, a Belo Sun Mining Corp afirma que “O Projeto Volta Grande hospeda um recurso de ouro compatível com 5,1 milhões de onças” (unidade de medida equivalente a 31,1 gramas) o que corresponderia a, aproximadamente, 158,6 toneladas de ouro. A previsão de início efetivo da extração do ouro é entre 2016/2017.

Os passos iniciais para a extração de ouro na Volta Grande do Xingu ocorreram a partir de uma licença prévia concedida pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente do Pará (Coema), após a aprovação do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) realizado em 2009, e assinado pelo mesmo engenheiro acusado de ser o responsável pelo estudo de impactos da barragem de Mariana (MG), que rompeu em novembro de 2015. De lá pra cá muitas mudanças já aconteceram na região, resultantes da construção da usina de Belo Monte.


Em 2014, a Justiça Federal publicou uma sentença reafirmando uma decisão liminar de 2013, que suspendeu o licenciamento do projeto. Na sentença do juiz federal Cláudio Henrique Fonseca de Pina, a Belo Sun só poderia retomar as atividades depois que entregasse os estudos de impactos ambientais do projeto e também sobre as populações indígenas. O magistrado destacou que o impacto que o empreendimento vai exercer sobre populações indígenas é “fato incontroverso” e “com reflexos negativos e irreversíveis”.

Em meio ao imbróglio judicial, novos conflitos surgiram envolvendo os garimpeiros que vivem na região e lá trabalham há várias décadas. Eles foram acusados pela Belo Sun de terem ocupado, sem autorização, a área onde a empresa pretende instalar as máquinas para extrair o ouro. A Divisão Especializada em Meio Ambiente (Dema), vinculada à Polícia Civil, abriu inquérito contra os garimpeiros causando revolta da população local – em torno de 2 mil pessoas, incluindo povos indígenas e ribeirinhos.

Já afetada pelas obras de Belo Monte, a população carrega agora o temor de sofrer prejuízos ainda maiores com o projeto da Belo Sun, seja pela seca do rio, pelas explosões de dinamite e envenenamento do ecossistema, seja pelas mais recentes revelações que apontam que a barragem de rejeitos será bem maior que a que rompeu e causou a tragédia em Mariana.

Segundo o Instituto Socioambiental – ISA, a exploração do ouro ocasionará a abertura de uma grande mina a céu aberto, com o material retirado através de explosões das rochas que deixarão uma série de resíduos químicos na terra do local. A previsão é de que a montanha de lixo de mineração será 2 vezes maior que o Pão de Açúcar.

No Relatório de Impacto Ambiental a Belo Sun admite o risco de rompimento da barragem de rejeitos e a futura utilização de cianeto e ácidos altamente corrosivos na extração do ouro. Não informa, entretanto, as consequências aos índios e ribeirinhos que vivem na região, nem quem vai arcar com o passivo das montanhas de lixo da mineração, pois não preveem a remoção. Os detritos se configuram desde já uma ameaça inestimável ao Xingu e aos povos que vivem na Volta Grande.

Uma nota técnica do ISA conclui que o licenciamento da mineradora deveria ser responsabilidade do governo federal, e não do Estado do Pará. O Ministério Público Federal (MPF) exige na Justiça que o projeto seja avaliado pelo Ibama.

Reprodução: Blog do ZEDUDU.


sexta-feira, 22 de julho de 2016

Senador Jader recebe Tinô para as estratégias eleitorais em Maracanã

Encontro de lideranças do PMDB

Hoje pela manhã, o senador Jader Barbalho (PMDB) fez uma pequena pausa em seu descanso de verão para receber o ex-prefeito de Maracanã, Tinô dos Santos. A conversa foi testemunhada pela deputada federal Simone Morgado e Luciene Emin.


Bem à vontade e já recuperado da saúde, o senador foi enfático em reafirmar o apoio integral do PMDB do Pará ao ex-prefeito e aproveitou para discutir os números de várias pesquisas realizadas por diversos partidos e que confirmar sistematicamente uma liderança confortável de Tinô.

Durante a campanha eleitoral lideranças do PMDB farão um revezamento para participação de comícios da legenda em Maracanã.

A largada política em Maracanã começa amanhã



Finalmente as convenções para desanuviar as dúvidas dos eleitores e consolidar as candidaturas majoritárias e proporcionais no municipio de Maracanã.
Amanhã, 23 de Julho, acontece no RT Eventos, a convenção municipal do Partido da República (PR) para confirmar a candidatura do comerciante Reginaldo Carrera ou poderá ser uma estratégia para valorizar o momento e deixar a ata em aberto para futuras composições. Amanhã mesmo saberemos!

No dia 03 de Agosto, no Centro Cultural da praça de São Miguel, o vereador Geovan Martins será referendado oficialmente pelo PDT e partidos aliados como candidato à prefeitura.

No dia 05 de Agosto, será a vez da candidata à reeleição Dica Costa, oficializar seu nome pelo PSDB às 17 horas no Centro Cultural. No mesmo dia, a partir das 15 horas, na sede social do Clube Ypiranga Tinô dos Santos, ex-prefeito, confirma seu nome na majoritária e anuncia um nome para vice entres tantos quadros disponíveis.

O jogo político já começou!

Pescaria revela tesouro nas águas de Salinas


Vila é refúgio de pescadores fora do eixo das praias mais badaladas.
Variedade de peixes e paisagem exuberante atraem visitantes de todo país.



Thais RezendeDo G1 PA




Variedades de peixes encanta visitantes. Na foto, um robalo, espécie em abundância na região. (Foto: Divulgação/ Magazine do Pescador)

O município de Salinópolis, nordeste do Pará, é um dos principais destinos de quem procura praias de mar para aproveitar o verão amazônico no estado. Porém, além dos balneários, a região também tem outras atrações para os visitantes: o distrito de Cuiarana fica a 5km do centro da cidade, e atrai turistas que apreciam passeios de lancha e pescaria, seja em áreas de mangue ou alto-mar.
Vila de pescadores atrai visitantes
(Foto: Divulgação/ Samia Batista - Pousada Cuiarana)

A cidade abriga espécies de peixe como pescada amarela, robalo, corvina, xaréu, peixe pedra e a pirapema - uma fartura que agrada aos turistas: “As pessoas procuram a gente de São Paulo, Santa Catarina, Rio de Janeiro, pois aqui temos peixe em abundância. Tem também o pessoal que mora por perto, como Paragominas, Marabá,Belém”, conta Joares Collyer, proprietário de uma pousada que oferece passeios de pesca esportiva.

“Geralmente o pescador sai cedo, às 6, 7h, porque pescador que é pescador é ansioso, não quer acordar 9, 10h. De manhã cedo tem a ‘hora do peixe’, a hora em que a maré começa a encher”, explica Collyer que, mesmo com as obrigações de administrador, sempre arruma um tempinho para pescar nas águas de Salinas.
Na pousada, o turista pode alugar uma lancha com toda estrutura necessária para passar o dia inteiro em alto-mar, inclusive fazer as refeições. Há lanchas que levam de duas e até oito pessoas. O piloto é também uma espécie de guia, conhece bem todo o caminho e os melhores pontos para pescar, que são os canais mais próximos ao mar, no final da vazante e começo da enchente.

“Eles ficam em pesqueiros que levamos, destinados à pescaria. É um bom ponto de peixe e os levamos pra lá”, conta Collyer. E no local em que a pesca é uma das principais atividades, até quem não é pescador tem a chance de fisgar um peixe. “Quem não traz material de pesca, a gente fornece para ele”, conta Joares, que orienta os visitantes a soltar os peixes após a pescaria.

Paixão em alto mar
Bancário aposentado, Júlio Macedo, 61, começou a pescar ainda menino, com o pai. Ele conta que no início era mais artesanal, com linha de mão, mas que se apaixonou mesmo pela prática quando aprendeu a “pescar de verdade” usando molinetes e iscas artificiais. Há seis anos ele escolheu Salinas para ser o cenário de sua maior diversão.
Iscas artificiais são novidade na pescaria no mangue.
(Foto: Divulgação/ Magazine do Pescador)

Quando a maré está para peixe, ele passa dias pescando. “De 15 em 15 dias eu estou na maré! Vou atrás de pescada amarela e camurim. Já tiveram vezes que peguei muitos peixes, mas outras que tive que comprar um peixe para comer porque não peguei nenhum”, explica o aposentado, que pesca com um amigo que tem casa em Cuiarana.

O pescador conta que uma vez passou uma semana fora de casa pescando. “Passou o primeiro dia, não deu em nada. O segundo dia, nada. No terceiro, o peixe entrou e a gente teve que aproveitar! Não tinha isopor que coubessem os peixes. Dessa vez quase dá divórcio!”, brinca Macedo, se referindo à sua esposa que ficou sozinha em casa.
Eduardo Monteiro comemora a pesca de uma
pirapema. (Foto: Divulgação/ Magazine do Pescador)

“A pescaria é o meu hobby. Na hora não penso em nada, rejuvenesço, volto 10 anos mais novo”, afirma Julio Macedo. Ele explica o motivo da paixão: “Muitas pessoas pensam que pescar é monótono, mas está enganado. A pesca é dinâmica, a gente trabalha o tempo todo para localizar o cardume”, explica o aposentado a respeito dos arremessos das iscas e movimentos para segurar a carretilha quando o peixe fisga no anzol.

O economista João Carlos Monteiro, 66, é apaixonado por pesca e conta que ensinou tudo que sabe ao filho, Eduardo. "Acho um esporte onde você não está sujeito às preocupações. Você está normalmente em contato direto com a natureza e também contribui com o meio ambiente, orientando quem está fazendo pesca predatória. É um lugar onde você fica seguro, não tem assaltos”, afirma João Carlos.


Ele explica ainda que gosta de pescar sozinho e que não usa rede ou espinhel, uma corda comprida ao longo da qual são fixadas, de distância em distância, linhas munidas de anzóis. “A gente pesca de anzol, nas marés de quarto crescente e quarto minguante, que ocorrem de 15 em 15 dias”, conta.

Experiente com a pescaria, o economista revela que os lugares que gosta de pescar em Salinas. “Além de Cuiarana, a gente tem alguns locais específicos de ponto de pesca: Praia da Marieta, Pedra do Veado, Pedra do Xaréu. Onde tem pedra no fundo existe muito peixe”, dá a dica.

O pescador conta que sai cedo para pescar, para pegar a primeira maré, quando está enchendo e fica o dia todo, já para pegar a segunda maré, seis horas depois. “Eu normalmente passo o dia todo, levo carvão e o peixe que pego na primeira maré asso e como em uma praia ali perto”, conta o economista.

Muitos visitantes fazem questão de fotografar os peixes capturados. As histórias de pescadores contam que já houve quem pescasse até 30 peixes em um dia. Arremessos precisos e o modelo das iscas garantem um bom resultado na pescaria. Mas o maior troféu que o visitante pode levar dessa experiência são as lembranças de um lugar pacato que esconde um verdadeiro tesouro oceânico.
Pesca é atração para quem gosta de tranquilidade e natureza (Foto: Divulgação/ Samia Batista - Pousada Cuiarana)

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Mau cheiro no banheiro do gabinete da Prefeita


Como não se pode ficar na praia todo tempo, mantemos a antena da redação do Blog ligada. A folha de pagamento da educação em Maracanã é guardada a setes chaves - duas com a prefeita, duas com o filho, duas com o marido e uma com a nora. Os servidores comissionados que são de confiança, mas andam demasiadamente insatisfeitos dizem que é uma caixa de pandora.

O certo é que recentemente o Blog teve acesso e "esbugalhou" os olhos em cima de alguns dados. O negócio é mesmo feio e contém muitos males, muitas proibições da legislação etc e tal.

Há servidores que atuam na Saúde, mas recebem pela educação, justamente porque o Fundeb é a maior fonte de recursos e por isso nunca sobra; há servidores da promoção social e muitos, muitos, assessores do gabinete indicados por um conhecido deputado que com a formação adequada estão pendurados e recebendo religiosamente em Maracanã, mas nunca botaram o pé no batente do banpará, onde outrora repousava o balde de alho do Massud, que parou afetado pela crise instalada pela atual gestão.

Os nobres indicados recebem com conforto nos caixas eletrônicos em Belém e em Maracanã só pisaram no dia da inauguração da delegacia. Aliás, a obra mais festejada do governo tucano na cidade e cantada em verso e prosa pela prefeita tem muito a ver com integrantes de seu governo: cadeia!

Da Redação
Fabiany Pimentel

sábado, 16 de julho de 2016

Até agora "nadica de nada" na programação de verão em Maracanã


Sem água nas torneiras, sem médicos no hospital, ruas com iluminação apagada, salários atrasando, sobra de Fundeb que os professores não viram a cor nos últimos anos, até o cafezinho anda frio. É claro! É fim de governo!
O retrato oficial que resume o governo Dica em Maracanã
É tão fim de governo que os moradores do município e os visitantes estão abismados com a falta de programação de verão da Prefeitura de Maracanã. O mês de julho - das férias dos estudantes, o principal do verão amazônico - chegou no dia 16 sem sequer um "carimbozinho" para animar a praça. Nadica de nada de programação, nem um show pra fazer chá.

Sabe, pensando aqui com meus botões. Quanto será a folha da secretaria de cultura? Coitados dos servidores da cultura, recebem salários, mas não têm os eventos para trabalhar.

Se o problema é dinheiro, temos muitos talentos na cidade para celebrar o verão. Sorte que o bar show "Esquina do Gato", o charmoso gatinho, vem segurando a peteca da animação e dando aula na Prefeitura.

Bem, com nos outros anos, o verão só foi "arranjado" de última hora, quando o Blog cobrou. Vamos esperar que funcione agora também. Ajeita ai prefeita um showzinho pra gente! Pode ser no último fim de semana!

...Fim de governo!

Da Redação

Antes só do que mal acompanhado


Um "burburrinho" rola nos bastidores de partidos aliados da prefeita de Maracanã, incluindo o próprio PSDB. Dizem as más línguas que muitos candidatos e candidatas à Câmara farão de tudo para não aparecer ao lado da guia-mor que continua escorada numa rejeição que beira 55% de ruim e péssimo.

Um nobre estaria até pensando em colocar a mulher candidata à Câmara e filiada em partido de outro candidato a prefeito, só para não dividir palanque com "tia Dica".

Vamos esperar. Até 5 de agosto, ainda tem muita água pra rolar!






Ufra lança vestibulinho com mais de 200 vagas


(Foto: Divulgação)







A Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), por meio da Pró-Reitoria de Ensino (Proen), lançou edital de Processo Seletivo Especial (PSE) para preenchimento de vagas remanescentes em cursos de graduação da Ufra. O Vestibulinho 2016 oferta um total de 201 vagas nos seis campi da Universidade, divididas em duas modalidades: Mobilidade Interna e Mobilidade Externa.

As inscrições terão início no dia 10 de agosto de 2016.

O processo acontecerá de forma interna para os alunos de graduação da Universidade que desejarem trocar de curso e externa para acadêmicos de outras instituições ou pessoas que já concluíram a graduação, observadas as regras do edital. No caso da mobilidade interna, podem participar da seleção alunos que tenham obtido aproveitamento mínimo de 30% da carga horária das atividades curriculares do curso ao qual estão vinculados.

Os interessados podem se inscrever através de formulário disponível no site da Ufra do dia 10 ao dia 31 de agosto de 2016. Após a etapa online, o candidato terá que fazer a confirmação presencial de sua inscrição no período de 05 a 12 de setembro, em horário comercial, nos locais descritos no item 5.7 do edital.

Os documentos para download que tratam sobre o edital estarão disponíveis a partir do dia 14/07.

A prova será realizada no dia 2 de outubro de 2016 e constará de uma prova de redação valendo 10 pontos, a ser realizada no campus onde o candidato optou por realizar a prova.

Diário ON Line
Reprodução

O casório de Cláudio & Jéssica


No carro as latas de leite Nam estão amarradas, quilos de arroz já já na porta do cartório, afinal de contas eles são leitores especiais aqui do Blog. Logo mais, trocam alianças e juras de amor nossos amigos Cláudio Assunção e Jéssica Ferreira, representantes da Sky em Castanhal e cidades vizinhas como Maracanã minha paixão.

Daqui da mesa que mais registra notícias da região, os nossos votos de felicidades e relacionamento duradouro.

A festa de Samita!


Tem coisas que o Blog não pode perder, principalmente quando a data é especial. Então, vamos celebrar e festar muito!

Amanhã é aniversário de uma querida amiga do Blog, Samita Dourado, a menina que com serenidade marca sua presença constante no coração de muita gente: Daniela, Vera, Evaldo, Adilsão e Adilsinho, entre milhares de admiradores como a gente aqui da redação. Mas, a celebração é hoje à noite num belo jantar entre familiares e amigos.

Parabéns!

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Assassinato em Tracuateua, município de Maracanã





Ontem aconteceu um crime bárbaro e que revoltou os moradores da vila de Tracuateua, região das praias, no município de Maracanã: V.S.R.N., "Juniquinho, menor de idade e suspeito de roubos na região, após uma série de ameaças, assassinou com vários golpes de faca e auxiliado por um homem ainda não identificado o morador da vila de prenome Eraldo, que deixa três filhos.

O homícidio aconteceu no final da tarde e o corpo foi removido ontem mesmo noite pelo IML de Castanhal, onde será liberado para sepultamento a partir de 10 horas. Segundo moradores, os dois assassinos fugiram de motocicleta no sentido de Igarapé-Açu, mas estão sendo procurados pela polícia.



Do Plantão do Blog
Fabiany Pimentel - blogueira substituta

As opções 0800 no Sal

Quem disse que quem chegar na sexta em Salinas vai ter que desembolsar 300 reais para assistir o Wesley Safadão?
Pois eu digo! é verdade!
Só que pensando nisso a Prefeitura de lá organizou uma série de shows na praça Luis Bentes, para aqueles que estão no Sal, mas a "grana" no bolso é bem curta.

Confira!



Da Redação
Fabiany Pimentel

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Maracanã sem água nas torneiras


A situação é a mesma, após mais de mil dias do governo que prometeu resolver o problema. Na sede de Maracanã, os moradores estão sofrendo, bem como os visitantes que não encontram água nas torneiras.




A leitora do Blog Suelem Costa enviou imagens de sua cozinha para mostrar como a vida anda dificil na terra que amamos.


Da Redação
Por Fabiany Pimentel

COITADOS DOS TEMPORÁRIOS!



Por Elizel Nascimento






Digno é o trabalhador de seu salário (Lucas 10.7), um preceito bíblico, que não faz distinção a qualquer categoria laboral. Em nosso País a Constituição Federal, estabelece em seu artigo 37 que o trabalhador do serviço público, obrigatoriamente, será admitido mediante concurso. No entanto, instituições federadas, no âmbito de municípios, principalmente, insistem, a rigor, na livre nomeação de temporários. Essa categoria só é permitida em casos excepcionais, provisórios, nunca permanentes. Isso deve ser exarado em cláusulas do ato oficial de nomeação da contratante. Em Maracanã-PA, o último concurso deu-se em 2005, há 11 anos. Mas, ultimamente, muitos temporários foram surprendidos com uma medida esdrúxula, imposta unilateralmente pela contratante, isto é, foram afastados de suas tarefas rotineiras no mês de julho, período em que não vão receber seus contracheques. Para amenizar a frustração dos "afastados" há uma promessa verbal de que retornarão em agosto. Mas o "porta-voz" do gabinete que mandou assinar o "ciente" no documento de afastamento fez uma ressalva autoritária:" quem não assinar o "ciente" não volta!" - assim disse-me um professor temporário. Entendo que em se tratando de um ano eleitoral, a primariedade de um marketeiro de campanha é flagrante no desfecho desse caso, pois as urnas podem ser hospedeiras do desabafo e do troco, afinal, só mostra o ruído da tecla verde confirmando o que o coração manda.

Atrasos constantes de salários em Maracanã



Em Maracanã, o atual governo demonstra suspirar os fôlegos de despedida. Os atrasos frequentes de fornecedores e agora até os salários de efetivos vem causando um grande estrago na combalida popularidade da prefeita Dica.

Por outro lado, o abandono de apoiadores antes mesmo da convenção, caracteriza que o fim está próximo.

Um caso acontecido chamou atenção: a Prefeitura creditou somente os salários dos professores efetivos, deixando centenas de servidores de apoio ( secretários escolares, merendeiras, serventes, etc...) sem o dinheiro sagrado de todo mês. A humilhação obrigou o sindicato mobilizar-se e numa reunião decidir por um "panelaço" na frente da casa da gestora.

A Prefeitura sabendo do fato arranjou um "jeitinho" de arrumar a grana. Agora os contratados que receberão o mês de maio em julho, ainda não sabem quando sairá o salário de junho e muito menos se receberão o mês de julho.

...e assim de forma vergonhosa a "tia Dicosa" vai chegando ao fim...

Exposição de Castanhal - Eu vou!

Sou chegada numa festa. Aliás, numa boa e animada festa. "Jorge & Memeu". A sofrência com Marília que nunca será a de Dirceu. Pois, pois, que vitrines de lojas em Castanhal vão ganhando o xadrez do country e a Expofac já está na porta.

Para ter a certeza que estaremos lá de corpo, alma e coração, confere ai a programação!




Pesquisa da Embrapa está desenvolvendo o “super” açaí da Amazônia





O fruto mais popular da Amazônia ganhou o mundo. O açaí deixou de ser apenas um hábito alimentar dos amazônidas para integrar as prateleiras de supermercados, restaurantes, lanchonetes e quiosques no Brasil e no exterior.

Em nível nacional é possível ver a matéria-prima do ‘berry’ (categoria do açaí) ser usada em barrinhas de cereais, vitaminas, biscoitos, geleias, doces, nutracêuticos, medicamentos fitoterápicos e até numa linha de sucos desenvolvido pela Coca-Cola Company.

Pesquisadores da Amazônia Ocidental (Amazonas), sob a liderança do doutor e engenheiro agrônomo Edson Barcellos, estão desenvolvendo um estudo cujo objetivo é fazer o cruzamento genético de duas espécies distintas e trabalhar o melhoramento genético do fruto: o açaí do Amazonas (de terra firma) e o açaí do Pará (de várzea). A ideia é extrair a melhor parte de cada um, aumentar a escala produtiva enquanto cultura agrícola e resultar em um “super açaí”, mais nutritivo e saboroso das espécies.

O açaí paraense é pioneiro entre as pesquisas introduzidas pela Embrapa Amazônia Oriental (Pará) há mais de 15 anos. Embora típico de várzea, se adaptou à terra firme. Inclusive existem variedades registradas no Ministério da Agricultura. “Essas espécies estão em níveis diferentes de pesquisas em melhoramento genético”, disse o engenheiro que pesquisa o desenvolvimento de palmeiras, explica Barcellos.

Há três espécies de açaí no Brasil: açaí de terra firme (euterpe precatoria), encontrado mais no Amazonas; o açaí de várzea (euterpe olerácia), cultivado em terras paraenses; e o açaí da Mata Atlântica (euterpe edulius), mais utilizado para extrair palmito comestível. Eles frutificam em épocas distintas, dando safras a cada quatro meses, de acordo com região.

“Nossas pesquisas sempre foram feitas com açaí do Pará. Agora no Amazonas estamos começando uma pesquisa para trabalhar a nossa espécie. Como são espécies diferentes, possuem tem caracteristicas diferentes. O açaí do Pará você planta uma semente ela vira uma toceira (perfilha). O nosso você planta uma semente que vira uma planta. Isso pode ser uma desvantagem. O nosso cresce muito e demora muito tempo para produzir (6 a 7 anos). O do Pará cresce pouco e começa a produzir baixinho (4 anos). Nós queremos encontrar no nosso açaí um material mais anãozinho e que começa a produzir mais precoce”, explicou o pesquisador.

Segundo a Secretaria de Estado de Produção Rural, o Amazonas produziu, em 2015, quase dois milhões de sacas (50kg cada) de açaí. A maior parte é proveniente do açaí nativo. Os municípios que mais se destacaram na produção, em 2015, foram: Codajás (safra de 392 mil sacas de nativo e 180 mil sacas de açaí cultivado); Tapauá, Tefé e Humaitá. Nesse último, a produção foi de 24 mil sacas no ano passado, só do cultivado.

O açaí híbrido ainda é só uma proposta. A ideia do estudo da Embrapa é servir para aumentar sua escala produtiva, a partir do cultivo manejado. “Hoje você vende o açaí que você tem. No futuro, quando tiver muito açaí plantado, tenhamos um açaí diferenciado”, ressaltou o pesquisador.

Produção depende de fatores naturais

Hoje a maior parte da produção do açaí na Amazônia ainda é do processo extrativo, que subsiste em função dos recursos naturais: chuva e fertilidade natural do solo.

“Quando você planta, você já consegue manejar essa cultura, adubar, mudar espaçamento, levar variedades selecionadas, irrigar e começar a mudar a época de produção dessa planta. Você não tem uma espécie que produz o ano todo. Mas se você aduba, irriga, você alonga o perfil de produção durante o ano e uma produção meio fora da safra do açaí nativo e o produtor consegue preços melhores. Hoje o que se preconiza é o açaí irrigado, usando espaçamentos bem definidos e boa adubação, a fim de ampliar a produção”, disse o doutor Edson Barcellos, autor da pesquisa.

Bom para produção de cosméticos


Um estudo com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) desenvolveu a partir da polpa do açaí um corante natural para aplicação em cosméticos e alimentos.

A pesquisa durou um ano e foi originada na Universidade Federal do Amazonas (Ufam) pela estudante Rebbeka Danyelle da Silva, sob a coordenação do pesquisador Emerson Lima.

De acordo com o Emerson Lima, com o estudo foi possível produzir um extrato hidrossolúvel (solúvel em água) a partir da polpa do açaí que pudesse ser rico em antocianinas, pigmentos naturais conhecidos e presentes também em outras frutas. Ele disse que o corante produzido se mostrou estável, preservando a cor, e pode ser aplicado na pigmentação de alimentos e cosméticos.

Aliado poderoso contra envelhecimento

Uma das grandes vantagens do açaí é o teor de antioxidantes (teor de antocianinas que dá a coloração roxa), substância que reduz o envelhecimento das células e faz bem para a saúde.

O açaí do Amazonas leva vantagem, pois possui uma quantidade maior delas, ressalta o pesquisador da Embrapa.

“Para você ter ideia, a uva tem 12 unidades de antioxidantes (vinho), já o açaí tem mais de 150 unidades, ou seja, 12 vezes mais do que vinho tinto. Por isso comemos para encher a barriga, mas lá fora é muito mais usado como complemento nutricional”, destaca doutor Edson Barcellos.

Por este motivo o açaí foi uma das matérias-primas utilizadas para produzir a linha de produtos fitoterápicos pró-envelhecimento, originários de pesquisa desenvolvida pela Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI/UEA), em parceria com a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e Universidade Metropolitana de Tóquio, na área do Envelhecimento. Lançada no dia 21 de junho, a linha de fitoterápicos -que também inclui o guaraná e a andiroba – foi batizada de “Homem da Floresta” e tem como foco melhorar a longevidade da população da terceira idade.

“Na pesquisa nós vimos que o extrato do guaraná, do açaí e entre outros, podem ser usados para promover o envelhecimento saudável e vamos lançar alguns destes produtos que foram testados e aprovados em laboratório”, afirmou o diretor-presidente da UnATI, Euler Ribeiro. As pesquisas iniciaram em 2007.

Por Cinthia Guimarães – Manaus (AM)

Por Fabiany Pimentel - blogueira substituta.

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Almoço marca novo abandono politico em Maracanã

Férias de julho e bate aquela vontade de praia, vento, pescados. Fome? Muita fome!

Ilustração

Eis que um almoço na capital do estado do Pará entre três vereadores de Maracanã teve como cardápio o abandono da nau da atual prefeita do município.
Segundo um garçom que servia a animada mesa rolou adesão e muitos planos entre os parlamentares. Se tivesse barba, a nobre guia de nossa cidade poderia colocar de molho.

Da Redação
Por Fabiany Pimentel

Menina de seis anos é morta e jogada em rio

Corpo da criança estava escondido dentro deste saco. (Foto: reprodução)


Uma menina de apenas seis anos de idade foi morta por estrangulamento, teve o corpo colocado dentro de um saco e depois lançado ao rio. Seu corpo foi encontrado na tarde deste domingo (10), após confissão da madrasta.

O crime brutal aconteceu no município de Tomé-Açu, no nordeste paraense, onde a menina estava desaparecida desde sexta-feira (08).

De acordo coma Polícia Civil, a pequena Karina Costa de Sousa foi morta pela madrasta, Gesielem Lopes Mamede, de 40 anos.

Ela confessou o crime e contou que usou uma corda para estrangular a criança. Para se livrar do corpo, arranjou uma canoa e a empurrou no rio com o corpo da menina dentro de um saco.

ENTORPECENTES

Gesielem e o pai da vítima são usuários de entorpecentes e se desentendiam constantemente, segundo a acusada.

No momento da prisão, em Tomé-Açu, houve tumulto: populares tentaram linchar a acusada, que precisou ser transferida para o município de Concórdia do Pará.

Segundo informações de testemunhas, parte da população, inconformada com o crime, tentou destruir a Delegacia de Tomé-Açu, mas isso foi desmentido pela Polícia Civil.

(DOL)